sexta-feira, 14 de março de 2008

As necessidades dos tempos modernos

Ao fim da tarde os pés desnudam-se e são desbastados pela lâmina. Pés cansados, calejados, pés feios e desassombrados. A pedicure segura-os com cuidado e utiliza os instrumentos mais sofisticados e líquidos frescos. A bata branca, as mãos com luvas descartáveis. Tudo clínico e desinfectado.
Não é bonito mostrar os pés nesta posição, como se fossem canhões prontos a fazer barulho de atordoar..., mas ir à pedicure faz pensar. Que pena ter calos, no dedo mindinho, entre os dedos por causa dos sapatos apertados, ai mas os calos da alma são piores. São húmidos, viscosos e precisam muitas horas da lâmina do esquecimento.
Só queremos mostrar as coisas belas, mas tal como a Paula Rego eu vou desnudar aquilo que é menos belo, tornando uma parte do corpo comum, centro da nossa atenção e pensamento.
Lembro-me de um excerto de um poema de Neruda (...) Acontece que me canso de meus pés e de minhas unhas,do meu cabelo e até da minha sombra.Acontece que me canso de ser homem. (...).
Eu não me canso de ser mulher, eu gosto de ser mulher, mas não gosto dos meus pés.

4 comentários:

lumiere disse...

meu anjo ( sim pois trato assim todas as mulheres) tem aqui um grande blog!
aproveite e veja o que fazem 47 jovens quando se dedicam de corpo e alma ao teatro
www.writteninthestars-omusical.blogspot.com

www.9sentido.blogspot.com

um abraço

M. disse...

Aproveito para olhar, mas estranhamente não vejo o pé nem o látex das luvas. Passaram de raspão como um flash e sobrou sua história como se lesse uma obra de arte.

Grande Pablo, o meu inspirador na escrita. Sempre soube descrever a face humana dos sentires com uma naturalidade..

Beijinhos

Sophiamar disse...

Amiga!

Hoje, dia 15 de Março, estou muito ocupada. Vou a correr abraçar e beijar a Primavera.

Mil beijinhossssssss

Filipe Oliveira disse...

de tanto cuidar, acabamos por gostar, porque o que verdadeiramente estamos a cuidar é de algo mais profundo, mais tarde sentimos isso.

Bjs
(obg pela visita)