quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Eu não posso ficar passiva...e você?

Uma criança de 11 anos foi morta, segunda-feira, por disparos de um militar da GNR, numa perseguição depois de um assalto, em que participaram dois adultos (incluindo o pai da criança).
O pai da criança segundo parece era um foragido de Alcoentre.
Pergunto: onde é que está o papel do estado na protecção desta criança oriunda de uma família de risco? Onde é que está o papel da segurança social, no apoio a esta criança, visitando-a e sabendo em que condições vive?
É este o fado dos desfavorecidos da sorte, criados em famílias funcionais, que quando são pobres são pobres em tudo. Onde está a igualdade de oportunidades? Onde está a escola que em princípio deveria ter em conta as condições psicológicas desta criança? EU não posso ver só o lado positivo da vida, eu não posso ficar passiva perante a injustiça porque essa atitude é um dos sete sapatos sujos que tenho que descalçar para entrar na modernidade, como disse Mia Couto, numa das suas conferências.

1 comentário:

dri disse...

Não,eu não posso ficar passiva.Eu não quero ficar passiva.Neste momento,e sobre o tema do seu post,passivo só aceito num tempo verbal.
Não sei o que está ser feito por quem tem o dever de zelar pelo bem estar e em prol dos direitos da referida criança.Não sei mas gostaria de saber.E tenho esse direito.
Obrigada,anad,por me sacudir da modorra deste Verão e do recolhimento em mim mesma.
Fique bem.Beijo.Dri