segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Visita a São Petersburg (Parte VI)
















Esta é a chamada Veneza do Norte com inúmeros canais e mais de 400 pontes, resultante do grande projecto urbanistico de Pedro o Grande, já teve o nome de Leninegrado e esta cidade está intimamente ligada à revolução de Outubro porque foi de um barco que hoje é museu vivo que dispararam os três tiros de canhão para começar a revolução. É a segunda maior cidade da Rússia e foi construida sobre cerca de 100 ilhas pantanosas no delta do rio Neva, foi para mim a mais linda cidade que eu vi, incluindo o Rio de Janeiro que já lá estive, e que poderei classificar como a segunda mais bonita essencialmente pela sua paisagem natural, enquanto que esta é uma harmonia total entre património construído e natureza.
A catedral de Nossa Senhora de Kazan impressionou-me, um monumento completamente neoclássico, estilo que eu gosto muito, da autoria do arquitecto Andrei Varonikhin. A igreja tornou-se um Monumento à vitória dos russos sobre Napoleão e dentro dele está o túmulo do Marechal Mikhail Kutuzov que ganhou a campanha. Foi fechada pelos bolcheviques que a transformaram no Museu da História da Religião e do Ateísmo (grande erro dos bolcheviques, proibir a prática religiosa), mas depois da Perestroika voltou a ser edifício de culto e Museu só da religião, porque o Ateísmo desapareceu, modificações históricas, como todos nós sabemos. Este icone de Nossa Senhora de Kazan é de grande devoção, a fila era imensa para o beijar, pois o Staline colocou-o num avião e mandou dar imensas voltas pela cidade de São Petersburgo, para ela não ser atacada pelos alemães e como não foi, o icone ficou para sempre no coração dos russos. Quem diria que o Staline fazia isto.
A catedral de São Isac é a maior da cidade e demorou 40 anos a ser construída, por ordem do Tsar Alexandre I e a sua cúpula dourada domina o horizonte, também durante o governo soviético foi Museu do Ateísmo e tal como aconteceu com a outra, voltou a ser local de culto.
A «iconostasis» que nas igrejas ortodoxas quer dizer a parede do icone que separa o altar do resto da igreja, está emoldurado por 8 colunas de pedra semi-preciosa, seis de malaquite (uma cor verde linda) e duas mais pequenas, de lápis-lazulli (uma cor azulão linda). Vimos também a Catedral do Sangue derramado, local onde o avô de Nicolau II foi assassinado, Alexandre II, que teve o grande mérito de acabar com o regime de servidão que durou até ao século XIX e por isso morreu. À saida da igreja comprei um desenho lindo, vendido por um estudante de arquitectura por cinco euros, se naquela altura eu tivesse mais dinheiro comigo ter-lhe-ia comprado todos os desenhos que eram fantásticos, tal como os seus olhos com a cor de azul ao longe.
Eu por agora não ponho muitas fotos nos textos, mas quando acabar o relatório, vou colocar aqui umas série de fotos temáticas, há neste momento uma secreta esperança de as minhas fotos serem salvas, mas se não for possível tenho as dos meus amigos e amigas do grupo das viagens.
Claro que pelo meio tivemos almoços e jantares com canções e danças russas.

6 comentários:

mariab disse...

fui lendo os posts, confesso que com uma pontinha de inveja. essa é, sem dúvida, uma das minhas viagens de sonho.
beijos

gaivota disse...

obrigada por dars continuidade à tua digressão de férias por aqui...
assim também nós vamos visitando a rússsia!
continuação de boas férias
beijinhos

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Cara amiga, deliciei-me a ler os seus post e a ver as fotografias. Ainda bem que gostou. S. Petersburgo é uma das cidades que está nos meus roteiros de férias. Só lá estive uma vez, de passagem, e fiquei com imensa vontade de lá voltar. Estes seus posts reavivaram-me o apetite...

entremares disse...

Que inveja...

Será um dos meus futuros destinos, tenho a certeza. Inspira-me muito mais curiosidade S. Petesburg do que Moscovo, por exemplo. E pela descrição... parece que adorou, hem ?

Vá... vamos à continuação... parte VII ?

Beijos
Rolando

divagarde disse...

Olá Ana Maria, estou em férias com acesso algo restrito ao computador. Virei ler com mais calma. Há muito que São Petersburgo vem sendo lugar adiado, mas a que quero muito ir.
Aproveito e deixo uma sugestão... veja A Arca Russa, um filme que acho fantástico, passado no Hermitage. Penso gostará.

Beijo

By myself disse...

Minha amiga:
São imagens do outro mundo, mesmo. Curioso o poder que tem serem imagens tiradas por alguém que "conhecemos", se comparadas com imagens de revistas, que achamos sempre escolhidas a dedo turístico.
Deve ter sido de facto uma viagem muito enriquecedora.

Não fosse o meu medo de voar (que me está a impedir de realizar o sonho de ir aos EUA), e seria um destino que escolheria.

Beijinho