segunda-feira, 28 de abril de 2008

Os museus hoje?

Esta questão deve continuar a ser discutida. As classes mais desfavorecidas visitarão o museu porque querem ou porque lhes é imposto? Mesmo que pensem que o museu não é para elas, também assim raciocinam perante um teatro, cinema ou ópera e nem por isso há um convite constante para elas visitarem esses equipamentos culturais sem pagar. As pessoas têm de ter a liberdade de escolha. Até há uns anos eu pensava o contrário, pensava que era bom seduzir os públicos através de produtos culturais que eles pudessem reconhecer facilmente, hoje acho que devemos realizar exposições que transportem as pessoas para um mundo onírico, de sonho em que a ficção e a realidade se entrecruzem. Os museus devem ser espaços de lazer, de bem estar, que façam esquecer a semana de trabalho. Como fazer? Temos que encontrar soluções. O museu académico da obra de arte excepcional já deu o que tinha a dar. O museu proletário com as memórias estafadas já está gasto. Vamos contar histórias e sonhar. Os públicos necessitam cada vez mais de sonho e fantasia.
O que acham desta questão?

6 comentários:

Som do Silêncio disse...

Olá

Não conhecia este espaço.
Quero dizer que estou completamente rendida à foto da cadela, e explico porquê.
Porque tenho um igualzinho, mas é macho, e sou perdidamente apaixonada por ele.
Deliciosa essa foto!
Parabéns :)

Beijo terno

Nuno R. disse...

Cara Amiga,
Eu sou e serei sempre da opinião que os museus devem ir ter com as pessoas. Devem abordá-las nas ruas, nos centros comerciais, etc. Bem sei que é preciso logística e dinheiro, mas esperar que os visitantes vão, pelo seu pé, até aos museus portugueses, que ainda por cima são, na sua maioria, um tremendo enfado, não é a solução. Há que deixarmo-nos mais da museologia e passar à acção. Uma só peça, bem promovida, bem publicitada e exposta de maneira a suscitar interesse num local público, já pode fazer mais pela arte do que um museu aberto das 10h às 17h.
Abraço e parabéns pelo blog, de que sou leitor atento.

Ana Camarra disse...

Venho cá todos os dias, muita vezes não comento, outras sim.
Geralmente subscrevo as suas ideias.
Os Museus tem de sofrer uma evolução e atingir novos publicos, concerteza.
O problema é que os museus são como tudo neste cantinho á beira mar plantado, andam ao sabor de muita coisa, de boas vontades, de carolice.
Depois existe ainda a questão da inexistencia de uma politica cultural, aí a porca torce o rabo e andamos ao sabor de outras correntes, de birras, de "tachos" e de mentalidades tacanhas.
No intervalo existe de tudo um pouco.

Só uma referencia, todos os dias quando visito o seu sitio vou descobrindo pontos comuns (duas Anas, marxistas, que gostam de coisas parecidas)hoje descobri que, tal como eu, deve de ter um boxer.
A minha Nusca, tem hoje 9 anos e já está velhota mas era igualita á da foto de hoje.
Um abraço

QuartoCrescente disse...

Vim agradecer a tua visita ao meu blog.

Sempre penso que é bom cultivar a criatividade seja de que maneira for. A criatividade e nos util em todos os momentos da vida. Inclusive varias emoçoes menos boas podem se libertar atraves da criatividade.

Há uns anos atras notava que as crianças eram mais criativas hoje talvez por terem acesso a tanta imagem tanta electronica isso vai se atenuando. Ler um livro esta quase fora de questao. Faltam as imagens e esse mundo de fantasia vai se esvanencendo.

Isto seria um tema que daria muito para pensar e escrever.

Um beijo

Carla disse...

devemos dar vida aos museus, por aquilo que eles têm para nos oferecer...sem conhecermos o passado não podemos entender o presente e muito menos viver o futuor em plenitude
beijos

espaço história & arte disse...

Viva! Bons dias Ana!

estou de acordo consigo, (como em muitos outros posts q já publicou)
penso q os museus devem perseguir esse objectivo de permitir uma viagem onírica… tanto quanto possível, q nos elevem de um espaço de preocupações quotidianas… para mim as memorias passadas têm essa faculdade de nos afastar do q têm de negativo (q forçosamente está lá… mas que a patina do tempo se encarregou de dissipar)
Bem sei q é pouco cientifica a minha opinião, mas valorizo mais o aspecto lúdico de fruição contemplativa dos museus q a função didáctica q estas instituições devem ter… s bem q ambas funções s relacionam e acabam por s complementar… mas acho q os visitantes não devem levar c uma aula de historia ou arte quando entram num museu mas sim com uma lufada de sensações belas extasiantes para os sentidos q permitam ao visitante, tal como refere, dedicar-se ao sonho e à fantasia…

(espero não ter sido excessiva no meu comentário...)

beij