terça-feira, 10 de novembro de 2009

Eu não vou parar, oié

Eu não vou parar
Podem acreditar
Vou pular, saltar, caminhar
Viajar, desenhar.
Vou ler e escrever.
Pois é, oié.

Vou encher-me deste mar que avisto
E ao qual não resisto
Vou encher os pulmões com o ar
Que entra pelas minhas janelas
Vou gostar da noite e do dia
Vou deixar que o meu corpo se encha de energia
Vou gostar
Vou gostar
E vou querer
Uma boa discussão pois então
E bailar e cantar
E rir e chorar
Pois é, oié.

Eu quero viver, viver, viver....
Quero estar com amigas e amigos verdadeiros
daqueles que nos olham nos olhos sem receio
Eu quero amar a Francisca, a Margarida e o António
E quem os fez tão bonitos e tão especiais
E os tios destes exemplares que são demais
Quero tanta coisa, pois é, oié.

Por isso agradeço todos os dias, mais um dia
de vida e de prazer e de tudo o que tenho
Que é tanto, pois é. Oié

4 comentários:

dialectosdeternura disse...

MARAVILHOSO !!!
OIÉ

Multiolhares disse...

E devemos mesmo agradecer, pois cada dia nos faz crescer
Bjs

Luís Ricardo Duarte disse...

Oié muita bué ;)

gaivota disse...

é isso mesmo! força, amiga, sempre em frente, mesmo que haja curvas...
beijinhos